A MONSANTO, OS TRANSGÊNICOS E O MEU CACHORRO | A influência dos GMO’s na nossa vida

O meu interesse nesse assunto começa desde a primeira vez em que ouvi falar de uma empresa chamada MONSANTO (importante prestar atenção no radical “MON”), empresa do ramo alimentício, agrário e químico. E aí fica a primeira interrogação: Como uma empresa consegue atuar em tão variados setores sem se estabelecer como holding?  É um mistério, assim como a maioria das operações da citada empresa.

A MONSANTO trabalha fazendo produtos herbicidas para o setor agrícola/agrário, mas também atua no setor alimentício, produzindo alimentos GMO (Organismos Geneticamente Modificados Ou Transgênicos). A produção desses alimentos não é exclusividade dessa empresa. A Dupont, Syngenta, Groupe Limagrain, Land OLakes, KWS AG, Bayer Crop, Takii, Sakata e DLF-Trifolium, também atuam produzindo  GMO’s/Transgênicos e afirmam categoricamente que realizam um trabalho social e humanitário. Já que “há escassez de alimento no planeta, e essas técnicas precisam ser utilizadas para a produção de alimentos cada vez mais resistentes e nutritivos.” Isso está baseado exclusivamente na teoria Malthusiana, defendida amplamente pelo capitalismo desenfreado dos EUA e países coligados. Mas quando prestamos um pouquinho mais de atenção no decorrer da história, percebemos que o problema não está na produção, e sim na sua distribuição para os países mais pobres.

Para conhecermos um pouco essa empresa (e a maioria das empresas que atuam no setor) indico esse documentário disponível no You Tube. Veja como trabalha a MONSANTO e como suas práticas são bem “éticas” e “humanitárias” (leia essa frase com bastante ironia).

Isso dito e posto, acho relevante assistir o que diz JOÃO PEDRO STEDLE, um dos fundadores e coordenador do MST em entrevista ao Canal Livre da Band (publicado até neste blog em outro post) sobre os transgênicos. E note bem, o que pergunta o entrevistador sobre os alimentos. Que revela total desconhecimento sobre o que significa os GMO’s.

E aí, onde ficamos nesse meio?

Nós temos a tendência de não nos relacionarmos com o assunto, quando ele não nos diz respeito. Mas a partir do momento que somos atingidos diretamente, ficamos tão atuantes quanto ativistas mais ferrenhos. Já visto, com o ultimo post desse blog, sobre as possíveis enchentes na baixada fluminense no verão de 2012. E infelizmente não sou diferente: O que motivou o interesse por esse assunto foi a falta da comida do meu cachorro uma semana atrás.

Normalmente compro sempre a mesma marca de ração para o Bartolomeu, meu cachorro hiperativo. Mas nessa ultima semana a que freqüentemente compro tinha acabado, eu tive que comprar outra: POPPI. A atendente disse que era uma “excelente ração” e estava tendo uma ótima saída. Só tinha um inconveniente: “esfarelava muito.” Comprei e só ao chegar em casa e ter aberto o pacote, me deparei com um discreto “T” dentro de um triangulo amarelo na lateral da embalagem. Foi como um baque, que me paralisou… porque até aquele momento eu conhecia um pouco da história dos GMO’s, mas aquela realidade nunca havia chegado tão próximo a mim.

Este slideshow necessita de JavaScript.

É por esse “T” que são identificados os alimentos GMO/transgênicos.

Realmente havia muito “farelo” dentro do pacote mas a aparência do alimento era comum. Como qualquer outra ração para cães. Decidi dar a ração ao Barth, mas não comprar mais dessa marca. Não pretendo alimentar meu cão por longos períodos com produtos vindos dessa origem. Como havia dito anteriormente, muitas pessoas desconhecem a origem dos transgênicos, e chegam a pensar que são alimentos “orgânicos”, quando na verdade são alimentos totalmente modificados em laboratório. Na verdade eles são alimentos CRIADOS em laboratório. São modificações genéticas feitas nos alimentos originais: milho, soja, feijão, frutas em geral, e até no leite.

Amplamente o que é divulgado dos GMO’s/Transgênicos é isso. Mas como já vimos no documentário da MONSANTO, a obscuridade é a mola mestra dessas empresas. E a não divulgação juntamente com os acordos com os governos, fazem desse ramo um dos mais perigosos para nossa saúde!

Passado o episódio do meu cachorro, já havia decidido a não comprar mais daquela ração. E num determinado dia da semana, minha mulher chega comento um alimento e me oferece um pouco. Comi, e ao ver a embalagem tomei um enorme susto: Doritos, feito com milho transgênico.

Esse Doritos me motivou a escrever esse post. Saber que algo que é tão perigoso à saúde humana está mais presente na nossa rotina do que pensamos, me deixa alarmado e assustado. Já fiz algumas pesquisas e descobri que o óleo de soja SOYA, também é produzido com soja transgênica. Lembra que falei no início desse post para prestar atenção no radical MON. O milho da Monsanto se chama “MON863”. Esse milho causou diversos problemas de saúde, afetando o sangue e os rins de diversas crianças nos EUA, sendo substituído pelo “RRGA21”.

Essa é uma realidade muito próxima, e por vezes não conseguimos nos desvencilhar dela. Até porque os alimentos transgênicos tendem a ser mais baratos. Mas veja os rótulos, e se for possível não consuma esses alimentos: Assim você cuida melhor da sua saúde e saúde da sua família!

@GedielsonSilva
Anúncios

Um comentário sobre “A MONSANTO, OS TRANSGÊNICOS E O MEU CACHORRO | A influência dos GMO’s na nossa vida

  1. SENHORA PRESIDENTA, POR PIEDADE NOS AJUDE A VIVER COM SAÚDE, PROIBA OS TRANSGENICOS NO BRASIL, JA NÃO BASTA OS ATENDIMENTOS A SAÚDE ESTAREM DEFASADOS, PREVINA! NÃO INSTIGUE DOENÇAS AO POVO BRASILEIRO… SOCORRO, AME A NÓS, SUA GENTE!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s